NOVAS OPÇÕES DE REFEIÇÃO À VENDA EM PET SHOPS

NOVAS OPÇÕES DE REFEIÇÃO À VENDA EM PET SHOPS

9 de agosto de 2016 Adultos, Alimentação, Cães, Curiosidades, Dicas, Filhotes 0 Comments

Conheça opções de alimentos naturais que chegaram no mercado pet.

Está pensando em dar alimento natural ao seu cão? Tem adiado a experiência só de pensar no trabalho que dá adquirir os diferentes ingredientes e depois prepará-los, dia após dia? Fica pensando na hipótese de, depois de toda essa trabalheira, descobrir que deixou de oferecer nutrientes importantes ao animal?
Para resolver tudo isso e de olho no crescente interesse das pessoas por hábitos alimentares saudáveis, o mercado pet oferece algumas alternativas de refeições naturais para cães prontas para o uso. “Pesquisas já demonstraram que a nutrição dos pets é muito influenciada pelo estilo de vida e hábito alimentar de seus donos”, comenta a zootecnista especializada em nutrição animal Janine França.

Existem porções congeladas em pet shops e lojas virtuais especializadas e alimentos balanceados naturais desidratados, sem conservantes e corantes e sem ingredientes transgênicos. Em comum, todos são formulados a partir de orientação de profissionais da área de nutrição animal.

Vantagens
“A alimentação natural atua no sistema imune, na pele, no pelo e como suporte terapêutico para diversas doenças, além de influenciar a performance de animais saudáveis”, comenta Janine. Cães com alergias crônicas de pele, endocrinopatias (doenças que afetam o sistema endócrino), obesidade, insuficiência renal, disfunção cognitiva e câncer também têm ganhos em saúde com este tipo de dieta.

Congelados
O primeiro cuidado que se deve ter com a aquisição de alimentos congelados refere-se ao fornecedor. É responsabilidade dele
mantê-los ininterruptamente congelados. Em caso de descongelamento e recongelamento, o produto deverá ser descartado. É preciso também estar atento ao prazo de validade. Janine orienta ainda a não descongelar em temperatura ambiente. “O certo é descongelar dentro da geladeira, pois a baixa temperatura retarda a multiplicação dos agentes contaminantes”, orienta.

Transição
No momento do consumo, os alimentos desidratados devem estar em embalagem hermeticamente fechada para preservação do valor nutricional e para evitar danos como os causados pela ação de insetos.
Depois do cozimento, a ingestão deverá acontecer, no máximo, na próxima refeição do mesmo dia. O cuidado evita fermentação e outros processos que modificam o alimento e podem provocar distúrbios gastrointestinais.

Desidratados
Se o animal estiver habituado ao consumo de ração seca, a transição deverá ser gradual. A alimentação natural é oferecida de forma crescente, misturada com a ração, até ser a única usada.

Carne congelada
Cães costumam ser loucos por carne. Quem a oferece, deve fazê-lo como parte de uma dieta elaborada por nutricionista para não falhar no balanceamento. Há doenças, como as renais, com restrições a determinadas proteínas. Esses dados são levados em conta ao ser formulada a dieta e a escolha do tipo ideal de carne. Se o cão for saudável, a carne poderá ser servida crua ou cozida, conforme preferência do animal, juntamente com os outros componentes da dieta.
Em qualquer caso, é fundamental que a oferta de alimentos não cause contaminação. Para reduzir o risco da presença de bactérias como a Salmonela ou a Escherichia coli, a origem da carne deve ser idônea, com manipulação, acondicionamento e transporte em ambiente com higiene e refrigeração adequadas.
O congelamento em freezer por 3 a 5 dias, no mínimo, evita contaminação por cistos de protozoários ou parasitas, por exemplo. Depois do descongelamento, o consumo deve acontecer em até 24 horas. Mesmo quando a carne é cozida, como não convém submetê-la a temperatura alta para preservar o valor nutricional, esses cuidados são importantes.

Fonte: caes-e-cia.com.br





Deixe seu comentário